Minha lista de blogs

sábado, 30 de maio de 2009

FAZ DE CONTA NO SESC CAMPOS COM AMOR QUE NOS MOVE ... DIA 10 DE JUNHO ENTRADA FRANCA


Teatro de Arena -programação


FETAERJ DIVULGA


Clique na imagem para visualização melhor

BRASIL DE 50 EM TEMPO DE BOSSA -SESC CAMPOS


31 de MAIO NA QUINTA DA BOA VISTA


hORÁRIO 11 HORAS
o BOA pRAÇA COM lEO cARVANALLE

EXPOSIÇÃO DE CONTADORES DE HISTÓRIA


























Exposição de Contadores de História -Uma homenagem aos profissionais que se dedicam à arte de contar histórias no Brasil e no mundo .

Aberta ao público a partir de 04 de Junho ( quinta feira ) , das 8h às 17h , Centro de Visitantes do Jardim Botânico ,1008 . Entrada Franca .










FOTOS DO ESPETÁCULO LAVA NO RIO DE HISTÓRIAS DO GRUPO FAZ DE CONTA
















terça-feira, 26 de maio de 2009

FAZ DE CONTA NO TRIANON 27/05/2009 COMEMORA ENFIM OS SEUS 10 ANOS....


No dia 15 de abril , onde seria comemorado os 10 anos do Grupo Faz de Conta não foi possivel pois o alvará não ficou pronto em tempo hábil , por este motivo transferimos para o dia 27 de maio 14 horas ( onde já conseguimos o alvará ) e por isso contamos com sua presença e torcida .
NO elenco IaRa LiMa
LaLa Ferreira
NeIdE BrAsIl
LAVA NO RIO DE HISTÓRIAS ....

quarta-feira, 20 de maio de 2009

DOMINGO 24 DE MAIO

Click na imagem para obter maiores detalhes da programação

A DRAMATURGIA DA CANÇÃO


MAIORES INFORMAÇÕES NO SITE DA CIA. ATERSANAL

GAROTADA FALA SOBRE O AMOR NA RÁDIO MALUCA
Muíza Adnet e Marcio Trigo, música e lançamento de livro

23 de maio de 2009 Programação Gratuita, ao vivo.

Neste sábado, a Rádio Maluca lança “O amor e a amizade” como temas do dia. Mas dessa vez, espera que as crianças digam o que elas acham que é o amor.

A cantora Muíza Adnet vai cantar algumas músicas infantis selecionadas por ela especialmente para a turminha da Rádio Maluca. O compositor, músico e diretor de criação da TV Globo, Márcio Trigo, apresenta sua mais recente novidade, e é no campo literário. Vai lançar, com um show-rock-contaçã o (de história), seu livro Bel e Bia. Trigo lança o livro por sua própria editora, a Mirabolante.
O amor vai estar presente de várias formas neste programa.

DIA: Sábado, 23/05/2009
TEMA: “O AMOR E A AMIZADE”.

ATRAÇÕES: MUIZA ADNET / MÁRCIO TRIGO.
APRESENTAÇÃO: Zé Zuca
PARTICIPAÇÃO: Mariano
HORÁRIO: Sábados, das 11h às 12h
LOCAL: Auditório da Rádio Nacional (150 lugares, com ar condicionado) .
ENDEREÇO: Praça Mauá, 7, 21º andar.
CONTATO: 2253-7863/8893- 3208 ou zezuca@terra. com.br
TRANSMISSÃO: Rádio Nacional - AM 1130 kHz e Rádio MEC – AM 800.
INTERNET:
www.radiobras. gov.br (Nacional do Rio) ou www.radiomec. com.br (nas duas emissoras simultaneamente, ao vivo)

__._,_.___

terça-feira, 19 de maio de 2009

A INCELENÇA COM MEUS AMIGOS - MARCIA VALÉRIA E MARCELO TOSTA E JOSUÉ SOARES ....


Centro de Formação de Contadores de Histórias na Biblioteca Hans Christian Andersen


Centro de Formação de Contadores de Histórias na Biblioteca Hans Christian Andersen

PALESTRA - Pelos Caminhos da Literatura Infantil

com Silvia Oberg - Pesquisadora da área de leitura e literatura, membro da equipe responsável pela elaboração da Bibliografia Brasileira de Literatura Infantil e Juvenil (Biblioteca Infanto-Juvenil Monteiro Lobato). Doutora em Ciência da Informação (Escola de Comunicações e Artes / USP).

Atualmente, o mercado editorial lança entre 600 a 1000 livros de literatura dirigidos a crianças e jovens por ano (entre autores nacionais e estrangeiros) . Se, por um lado, o grande número de obras possibilita a diversificação das escolhas, por outro, coloca os profissionais desta área frente a um volume imenso de publicações, cuja qualidade é heterogênea. A palestra Pelos caminhos da literatura infantil tem como objetivo discutir características desta produção, bem como critérios que possam nortear escolhas fundamentadas de obras para a realização de práticas com a literatura junto ao público infantil e juvenil. Este encontro busca, também, promover a interação e a troca de experiências entre contadores de histórias, bibliotecários, educadores e pesquisadores de forma a provocar a reflexão sobre a literatura e propostas que criem possibilidades para que crianças e jovens experimentem a produção literária de forma significativa.

Dias 20/05 (quarta-feira) das 14 às 17h e 30/05 (sábado) das 10 às 13h
Escolha a data de sua preferência e compareça!!

Entrada Franca (auditório com 150 lugares não será necessário prévia inscrição).
Informações pelo telefone: (11) 2295-3447

Local: auditório da BIBLIOTECA HANS CHRISTIAN ANDERSEN
Av. Celso Garcia, 4142 -Tatuapé - São Paulo (Próx. Estação Tatuapé do Metrô)

Realização: Coordenadoria do Sistema Municipal de Bibliotecas
Consultoria: Kelly Orasi

Centro de Formação de Contadores de Histórias na Biblioteca Hans Christian Andersen


Centro de Formação de Contadores de Histórias na Biblioteca Hans Christian Andersen

PALESTRA - Pelos Caminhos da Literatura Infantil

com Silvia Oberg - Pesquisadora da área de leitura e literatura, membro da equipe responsável pela elaboração da Bibliografia Brasileira de Literatura Infantil e Juvenil (Biblioteca Infanto-Juvenil Monteiro Lobato). Doutora em Ciência da Informação (Escola de Comunicações e Artes / USP).

Atualmente, o mercado editorial lança entre 600 a 1000 livros de literatura dirigidos a crianças e jovens por ano (entre autores nacionais e estrangeiros) . Se, por um lado, o grande número de obras possibilita a diversificação das escolhas, por outro, coloca os profissionais desta área frente a um volume imenso de publicações, cuja qualidade é heterogênea. A palestra Pelos caminhos da literatura infantil tem como objetivo discutir características desta produção, bem como critérios que possam nortear escolhas fundamentadas de obras para a realização de práticas com a literatura junto ao público infantil e juvenil. Este encontro busca, também, promover a interação e a troca de experiências entre contadores de histórias, bibliotecários, educadores e pesquisadores de forma a provocar a reflexão sobre a literatura e propostas que criem possibilidades para que crianças e jovens experimentem a produção literária de forma significativa.

Dias 20/05 (quarta-feira) das 14 às 17h e 30/05 (sábado) das 10 às 13h
Escolha a data de sua preferência e compareça!!

Entrada Franca (auditório com 150 lugares não será necessário prévia inscrição).
Informações pelo telefone: (11) 2295-3447

Local: auditório da BIBLIOTECA HANS CHRISTIAN ANDERSEN
Av. Celso Garcia, 4142 -Tatuapé - São Paulo (Próx. Estação Tatuapé do Metrô)

Realização: Coordenadoria do Sistema Municipal de Bibliotecas
Consultoria: Kelly Orasi

FESTIVAL DE ESQUETES DE CABO FRIO .


MEMÓRIA CULTURAL FORTALECE LAÇOS NO PROJETO CRIARTE

MEMÓRIA CULTURAL FORTALECE LAÇOS NO PROJETO CRIARTE

No dia 23 de maio das 15 às 17h na Rua Jurimanás, 81, no Jardim Niterói, será lançado o Projeto Criarte. Haverá também a inauguração da nova sede onde o Entidade de Promoção e Assistência Social - Espaço Aberto está atuando.

O Projeto Criarte resgata a memória cultural e estimula os vínculos afetivos por meio da Cultura Popular integrando as áreas de dança, música, artes plásticas, teatro e mediação de leitura. Atende 170 crianças e adolescentes de 8 a 18 anos, que vivem em situação de vulnerabilidade social. Para isso foi formada a parceria com a Associação de Amigos do Jardim Niterói.

O Projeto Criarte tem o objetivo de valorizar a cultura da comunidade local, fortalecendo a identidade cultural através de brincadeiras, cantigas de roda, criação de brinquedos artesanais, cultivo das festas populares, histórias orais de mestres da cultura popular, e principalmente desenvolver o conhecimento integral das crianças e dos adolescentes.

Com foco na qualidade, o processo de seleção recebeu mais de 350 inscrições de educadores de vários locais da cidade de São Paulo, quando, após cinco etapas, foram escolhidos os mais experientes para ministrarem as oficinas de arte e cultura Popular. A oficina de mediação de leitura é ministrada por jovens da região do Grajaú que foram capacitados em sua comunidade e hoje são contratados no Projeto Criarte. É um projeto diferente que além de valorizar a integração entre comunidade, pais, crianças, adolescentes, jovens, educadores, possibilita a profissionalizaçã o, gerando emprego e renda às pessoas da comunidade.

O Projeto Criarte foi elaborado pela Entidade de Promoção e Assistência Social - Espaço Aberto e teve a aprovação no FUMCAD, com o patrocínio da Secretaria Municipal de Parceria e Participação.

História
O Espaço Aberto foi fundado em 1996 por um grupo de pessoas que se uniu para colaborar na melhoria da qualidade de vida de pessoas que vivem em condições de vulnerabilidade social.
Hoje o Espaço Aberto atende diretamente cerca de 1.650 pessoas e indiretamente mais 6.000 pessoas por meio dos seguintes projetos:

- Dois núcleos da 3a. Idade - Mova (Alfabetização de Jovens e Adultos), atendendo 80 pessoas. Parceria com a Secretaria Municipal de Educação.
- Com Vivendo – atendendo 225 crianças, adolescentes e pais. Aprovado e patrocinado pelo FUMCAD.
- CRIARTE – atendendo 170 crianças, adolescentes e pais. Aprovado e patrocinado pelo FUMCAD
Ação Família, atendendo 1051 famílias. Parceria com a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social
- Projeto Guri , atendendo 100 crianças e adolescentes. Parceria com a Secretaria Estadual de Cultura.
- Oficinas de Artes Plásticas do Projeto Arquimedes, atendendo 25 crianças. Parceria com a Secretaria Estadual de Cultura. Tem parcerias com a Sociedade Amigos do Jardim Miriam , na Vila Portela, e no Jardim Niterói.

Os projetos foram aprovados e são conveniados com as seguintes Secretarias: Secretaria Municipal de Ação e Desenvolvimento Social, Secretaria Municipal de Participação e Parcerias, Secretaria Municipal de Educação.Contamos com o apoio da mídia no dia 23 para fazer a cobertura e divulgar esse importante projeto na comunidade.

Contato com a mídia - Cecilia 11 9624-9151
ceciliaapostolopoul os@uol.com. br
Lucila 11 6752-3222
lucilamaia@constela cao.org.br
Endereço do Espaço Aberto – Rua Diogo Arias, 51 - Bairro Jardim Miriam

BOLETIM NACIONAL DE LIVRO E LEITURA



Edição nº 156 - 18 a 24/05/2009

Feira do Livro de Lisboa

Terminou no último domingo, dia 17, a
Feira do Livro de Lisboa, que contou com dois estandes organizados pela Fundação Biblioteca Nacional/MinC, onde ocorreram palestras de autores brasileiros e foi montada uma exposição sobre Machado de Assis. O PNLL também participou da Feira de Lisboa, com a presença do secretário-executivo José Castilho Marques Neto, que apresentou as políticas públicas do livro e leitura juntamente com o gerente de Articulação Institucional da SAI-MinC (e futuro diretor geral de Livro e Leitura do MinC) Fabiano dos Santos. Eles debateram com a Tereza Calçada, coordenadora adjunta do Plano Nacional de Leitura de Portugal, e ambos os países se comprometeram a manter o diálogo sobre ações comuns. Nesta segunda-feira, dia 18, Marques Neto irá se encontrar com o diretor da Biblioteca Nacional de Portugal, Jorge Couto, para apresentar os planos brasileiros para o desenvolvimento da leitura.

Caixa-Estante

Depois de anos, a biblioteca pública de Igarassu, em Pernambuco, foi reaberta. E para as pessoas se familiarizarem com o espaço, tendo um maior contato com os livros, um pouco da biblioteca também chega às escolas públicas e particulares do município. Trata-se da Caixa-Estante, integrante do
Eixo 2 (Fomento à Leitura e à Formação de Mediadores) do PNLL. O programa prevë que a cada quinze dias o acervo vai para uma instituição de ensino, que fica responsável pela circulação das obras entre os alunos.

Seminário de Leitura em Duque de Caxias

O projeto Comunidade Educadora, que integra o
Eixo 2 (Fomento à Leitura e à Formação de Mediadores) do PNLL, promove uma série de ações estratégicas que buscam aumentar a relação prazerosa de trabalho com livros, a capacidade de reestruturar pedagogica e arquitetonicamente o espaço de leitura e formar jovens mediadores e multiplicadores. Nos dias 14 e 15 de maio, realizou o I Seminário de Leitura em Duque de Caxias: Construindo Comunidades Leitoras, quando se discutiu práticas bem sucedidas de Promoção de Leitura Literária na escola e em espaços comunitários. Entre os presentes, o secretário-executivo do PNLL, José Castilho Marques Neto, e o chefe da Equipe de Leitura da secretaria municipal de Educação, Felipe Lacerda Cruz.

Encontro reúne gestores do Nordeste para expor dúvidas sobre o livro didático

Gestores de secretarias estaduais e municipais de educação nordestinas expuseram suas dúvidas relacionadas ao Plano Nacional do Livro Didático (PNLD)
em reunião ocorrida no Recife, entre os dias 11 e 13 de maio. As principais questões propostas tinham como temática os processos de seleção e avaliação de obras, buscando orientar a seleção dos professores. De acordo com Marcelo Soares, diretor de políticas de formação, materiais didáticos e de tecnologias educacionais da SEB, em entrevista ao Portal MEC, "o objetivo é tirar dúvidas, trocar experiências, mobilizar as redes e auxiliar os professores a fazer boas escolhas". Nos próximos dias ocorrem outras três reuniões: os gestores da região Sul irão se encontrar, entre os dias 18 e 20 de maio, em Porto Alegre (RS); os do Sudeste, em Belo Horizonte (MG), nos dias 25, 26 e 27; e os da região Norte e Centro-Oeste, entre 1º e 3 de junho, em Brasília.

Jornada de Literatura: inscrições até julho

As inscrições para a
13ª Jornada Nacional de Literatura estarão abertas até julho (até completarem-se as vagas), não se encerrado em maio, como informado na edição anterior deste boletim. O encontro, que acontece de 24 a 28 de agosto em Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, terá como tema Arte e tecnologia: novas interfaces. E de 1º de junho de 2009 até também completarem-se as vagas, poderão ser efetuadas as inscrições para a 5ª Jornadinha Nacional de Literatura, que acontece nos dias 25 e 25 de agosto.

Nova edição do Libro al Día já está disponível

A sétima edição do
Libro al Día, publicada pelo CERLALC (Centro Regional para El Fomento del Libro em America Latina y El Caribe) já está disponível na Internet. Destaque para a discussão sobre os quadrinhos como uma ferramenta fundamental de leitura. Há também uma matéria especial sobre a celebração do Dia Mundial do Direito do Autor, ocorrido em 23 de abril, além de uma reportagem sobre o Seminário Internacional Biblioteca Pública y Sociedad de la Información, desafíos y respuestas desde América Latina, que aconteceu no Peru nos dias 24 e 25 de março, entre vários outros textos.

Prêmio Governo de Minas Gerais de Literatura divulga seus vencedores

A Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais divulgou, no último dia 11, os vencedores do
Prêmio Governo de Minas Gerais de Literatura. Em Conjunto da Obra, o premiado foi Luis Fernando Veríssimo. Em Poesia, venceu Eduardo Jorge de Oliveira, com a obra A língua do homem sem braço. Em Ficção, o vencedor foi Reni Adriano Batista, com a obra Lugar. Já na categoria Jovem Escritor Mineiro, a vencedora foi Maria Zilda Santos Freitas, com o projeto Insetos.

Beirute: Capital Mundial do Livro 2009

A UNESCO (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura) nomeou Beirute como a
Capital Mundial do Livro de 2009 em reconhecimento ao seu engajamento no incentivo à leitura. Segundo informa a instituição, a decisão levou em consideração "sua implicação em matéria de diversidade cultural de diálogo e de tolerância, e também pela variedade e o caráter dinâmico de sua programação".

Feiras e Bienais

Entre os dias 18 e 28 de junho, terá lugar a
9ª Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto, que homenageia o Chile, o Amazonas, a poetisa Cora Coralina e Galeno Amorim. Em Rio Branco, entre os dias 29 de maio a 7 de junho, acontece a 1ª Feira Nacional do Livro no Estado do Acre, que terá sessões de cinema, oficinas, palestras, mesas redondas, exposições de arte e recitais de poesia, dentre outras atividades.

PORTAL CULTA NA INFÂNCIA MAIO 2009

Maio de 2009

O Portal Cultura Infância completa neste mês de maio um ano de vida, e a crescente importância de sua presença dentro do universo da cultura da infância e da criança, tem nos dado coragem e inspiração para manter acesa esta chama. Temos norteado nosso caminho em direção da ética, do processo colaborativo, da interatividade, do compartilhamento de conhecimentos e da generosidade. O Portal agradeçe todo apoio e colaboração que você possa oferecer, desde um pensamento positivo até patrocínios, doações e troca de serviços. Estamos abrindo também espaços pagos para baners de seus eventos, espetáculos, seminários e outras atividades relacionadas com a temática do Portal. Para maiores informações entre em contato:
comercial@culturain fancia.com. br

Colabore: Agora você mesmo pode publicar seus artigos, fotos, divulgação e outros documentos no Portal Cultural Infância.f
órum Paulista Cultura da Criança: Participe do Fórum Paulista Cultura da Criança, na cidade de São Paulo. Para maiores detalhes entre em contato com editor@culturainfan cia.com.br.
Enquete: Ajude-nos a melhorar o Portal, responda e comente a enquete: O que você gostaria de ver mais no Portal Cultura Infância?
Fórum Cultura Infância: Estamos iniciando neste mês uma série de fóruns temáticos sobre a Cultura Infância.
O primeiro deles será sobre Teatro para Crianças, moderado pelos integrantes do Centro de Referência do Teatro para Infância (Ana Luisa Lacombe, Deborah Serretiello e Gabriel Guimard).
Bate-Papo ao Vivo: Estamos iniciando neste mês uma série de bate-papos ao vivo na internete sobre temas relacionados com o universo da Cultura Infância. O primeiro deles será Produção Artística para Crianças, com Gabriel Guimard, dia 02 de junho - Horário: das 20hs às 22hs.
Local: Portal Cultura Infância.Exposição virtual: Ilha de Marajó, pedacinho do Brasil, por Vírginia Yunes. Artigos:- Lançamento do livro: Infância, Cultura e Consumismo de Flávio Paiva;- Artes Plásticas: A figura humana nas aulas de artes: uma proposta de trabalho na educação infantil bilíngue, por Selma Moura;- Dança: Que dança é essa? Por Uxa Xavier;- Música: A música e a perna do Saci, por Flávio Paiva;- Literatura: A importância da Literatura. Por que discutimos o óbvio? Por Dirce Waltrick do Amarante;- Sociologia: A Cidade (Re)criada pela Infância, por Nayana Brettas Nascimento;- Arte-educação: As imagens na Educação Infantil: Uma abordagem a partir da Cultura Visual, por Dra. Susana Rangel Vieira da Cunha;- Literatura: Leitura de histórias: Início de uma longa viagem, por Mirian Chaves Carneiro;- Relato de experiências: Pará - Relato de viagem, por José Geraldo Rocha;- Arte-educação: Entrevista: Grupo de Teatro e Dança Expressão em Movimento, por Adriana Napoli;- Contação de histórias: A narração de histórias na sala de aula, por Geoff Fox e Gilka Girardello;
- Consumo:
Infância e luta pelo direito, por Flávio Paiva;- Arte-educação: Rasgando de raiva - uma produção de animação com crianças na escola, por Adriana Hoffmann Fernandes;- Literatura: Os Elefantes que atormentam as Crianças, por Dirce Waltrick do Amarante;- Com a boca cheia de livros: A cor do mundo, por Celso Sisto;- Psicologia: Infância sob controle, por Ana Marta Meira;- Cultura Digital: Entrevista: Evelyn Eisenstein, por Adriana Napoli;- Processo de Criação: Acompanhe o processo de criação de algumas das principais companhias de teatro infantis Brasileiras;- Roteiro Cultural, novas sessões adicionadas: Cinema, contação de histórias, exposições, eventos culturais, cursos e oficinas, lançamento de livros e seminários e debates;Faça parte da Rede Cultura Infância:Yahoo Grupos: http://br.dir. groups.yahoo. com/group/ culturainfancia/Twitter: http://twitter. com/culturainfan ciaOrkut: http://www.orkut. com/Community. aspx?cmm= 51521609
PROJETO APOIADO PELO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO,
SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL


segunda-feira, 18 de maio de 2009

FESTIVAL DE TEATRO DE RUA EM ANGRA DOS REIS

Caros pesquisadores, Eu havia convidado, também , o companheiro Paulo Betti para observar oEncontro de Angra dos Reis. Ele publicou este pequeno artigo sobre o nossoevento... Paulo Betti Sexta-feira, 15 de maio de 2009 Teatro de rua Amigos, como é encantador o teatro de rua! É só haver uma pequenaaglomeração com alguém se apresentando em alguma praça, que vou parando paraobservar. Na rua vi as apresentações mais poéticas e as mais bizarras. Mas nunca meaborreci. Paro para ver vendedores ambulantes que aproveitam a curiosidadedo povo para vender produtos milagrosos oriundos da mais misteriosa florestaamazônica. Fico esperando a hora prometida que em que a cobra vai serretirada de dentro da cesta mágica. Tudo isso tem um pouco de teatro de rua. Mas não se compara, é óbvio, asrefinadas manifestações teatrais que vi no 14º Encontro Nacional de Teatrode Rua em Angra dos Reis na semana passada. Pela mostra, o teatro de rua brasileiro está fortíssimo e com energia paradar e vender. Fiquei dois dias e vi o grupo “Pombas Urbanas”, de São Paulocom seu espetáculo “Histórias para serem contadas”, um espetáculocomunicativo com atores excelentes. No mesmo dia vi o grupo Arte da Comédia,de Curitiba. A peça “Aconteceu no Brasil enquanto o ônibus não vem” divertiuo público com seu texto construído a partir de improvisações do elenco.Atores maravilhosos, bem ensaiados e coreografados nos mínimos detalhes. Na mesma noite, iluminada por uma linda lua cheia, os meninos deFlorianópolis, do Grupo Circo Negro, barbarizaram as ruas centrais de Angracom sua “Experiência Subterrânea”. No final da noite de sábado o ColetivoPulso, de Belo Horizonte, encantou o público com a magia e a delicadeza deseu “Hai Kai – Somente as Nuvens Nadam No Fundo do Rio”. Figurinosimaculados, movimentos lentos e precisos, um poema teatral de grande impactoque termina num banho coletivo para surpresa do público que reagiu com simpatia e bom humor. No domingo ainda pude me deliciar com o grupo mineiro Galpão Cine Horto esua comunicativa e poética invenção de linguagem em “Arande Gróvore”. Ascrianças acompanhando aquela língua diferente inventada pelo grupo que écria do Galpão, me lembrou alguns grandes momentos de Antunes Filho eGabriel Vilela. Fechei a noite vendo o excepcional “Famiglia Milan e o Gran Circo Guaranácom Rolha”. Que dupla maravilhosa de acrobatas! Uma pesquisa sobre o circodos anos 20. Uma deliciosa viagem no tempo. Não deu para ver tudo,mas pude acompanhar a emocionante homenagem que AmirHaddad e seu Grupo Tá Na Rua prestaram ao mestre Augusto Boal, recémfalecido. Eles inventaram o espetáculo na hora. Amir falou com a propriedadede quem foi amigo dileto do grande homem do nosso teatro, um dos maiores quetivemos em todos os tempos. Para quem acha que a ditadura foi branda, Amir colocou as coisas nos seusdevidos lugares: “a ditadura roubou pelo menos uns oito anos úteis de Boal.No final de sua vida, as seqüelas da tortura brutal que ele sofreu semanifestaram roubando suas energias e se transformando numa leucemiadevastadora”. Na manhã de domingo ouvi junto com Amir, os testes do equipamento de som dasegurança da usina nuclear. Deu medo ouvir aquelas sirenes ecoando pelasmatas com seus gritos lancinantes que misturam a melancolia dos apitos dasantigas fábricas com o som apocalíptico das hecatombes. Uma voz sinistradizia: “continuem a fazer suas atividades normais, isso é apenas um teste”! Ainda bem que eu estava com Amir Hadad e com o pessoal do teatro de rua.Nosso antídoto as incongruências da vida. E pude ver o pipoqueirocumprimentando Amir pelo seu trabalho. Um dos momentos mais belos que jápresenciei no teatro. Ator e sorocabano de coração, traz todas as sextas-feiras um pouco mais

CONCURSO DE POESIA

Marcio Alexandre M. GualbertoCoordenador Nacional de Política Institucional do Coletivo de Entidades Negras - CEN - www.cenbrasil. org.br Editor dos sites Palavra Sinistra e Atentos à MídiaRede Social Religiosidade Afro-Brasileira - http://religiaoafro .ning.comColunista de Afropress - Agência de Informação Multiétnica

CIAFRO – CENTRO DE INTEGRAÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA É uma associação de natureza civil, sem fins lucrativos, que busca participar, de forma ativa, do processo de construção da identidade cultural brasileira. Conscientizar a população brasileira de nossa história, formação étnica e cultural, constitui questão fundamental para a construção dessa identidade e, conseqüentemente, para a transformação social tão almejada por aqueles que se fazem sujeitos da história. Dessa forma, o CIAFRO visa à divulgação da cultura afro-brasileira, bem como sua reedificação em todos os espaços culturais. CIAFRO - Centro de Integração da Cultura Afro-Brasileira realiza:I Festival de Poesias do CIAFRO na Baixada Fluminense - África, Africanidade e Negritude O tema do concurso é África, Africanidade e Negritude. Direcionado a estudantes de Escolas Públicas, o concurso dá a professores e alunos a oportunidade de cumprirem a Lei 10.639 de 9 de janeiro de 2003, que torna obrigatório o ensino de História da África e da Cultura Afro-Brasileira nas escolas brasileiras, de forma lúdica e prazerosa, através da poesia. Poderão ser trabalhados assuntos relacionados às etnias africanas e suas culturas, países da África, racismo, intolerância religiosa, preconceito, religiões de matrizes africanas e outros. I Festival de Poesias da Baixada Fluminense - África, Africanidade e Negritude do CIAFRO – Centro de Integração da Cultura Afro-Brasileira. Regulamento: I) Somente poderão participar alunos regularmente matriculados em escolas públicas da Rede dos municípios: Nilópolis, Nova Iguaçu, Mesquita, Duque de Caxias, Queimados, São João de Meriti, Belford Roxo, Magé, Guapimirim, Paracambi, Seropédica, Japeri e Itaguaí. E também poderão participar os alunos das escolas da Rede Pública Estadual localizadas nestes municípios. II) O concurso acontecerá em três (03) categorias: 1ª categoria - alunos do 3º ao 5º ano 2ª categoria - alunos do 6º ao 9º ano 3ª categoria - alunos do 1º ao 3º ano do Ensino Médio III) Cada aluno poderá ter apenas uma (01) poesia inédita inscrita no concurso. IV) Cada escola poderá concorrer, no máximo, com dez (10) poesias, sendo de autores diferentes. V) A poesia deverá ser escrita em Língua Portuguesa, digitada em fonte Arial 12, estilo normal e ter, no máximo, 40 linhas, a contar os espaços, inclusive. Não serão aceitos trabalhos manuscritos. VI) O título deverá vir escrito na folha da poesia à esquerda. VII) À direita da folha da poesia, na parte superior, deverão constar os seguintes dados do autor, em fonte Arial 10, nesta ordem: Unidade escolar, nome e série. VIII) A poesia deverá ser enviada em três (03) vias, juntamente com a ficha de inscrição devidamente preenchida e assinada pelo autor e pelo responsável legal, em envelope lacrado, até o dia 08 de agosto de 2009, para: I Festival de Poesias - África, Africanidade e Negritude, rua Senador Salgado Filho, 818 Olinda - Nilópolis CEP: 26525-111, valendo como data de entrega o carimbo do correio. IX) Casos de desclassificaçã o da poesia: a identificação indevida do autor, o não atendimento a qualquer item do regulamento e poesias copiadas ou plagiadas. X) As poesias serão julgadas por uma comissão composta por: literatos, professores e ativistas do movimento negro, cuja decisão será irrevogável e irrecorrível. XI) Critérios de avaliação por ordem de importância: profundidade e originalidade na abordagem do tema, criatividade da linguagem e correção da linguagem, respeitando- se as variedades linguísticas dentro do contexto abordado. XII) Da premiação: a) Serão selecionadas vinte (20) poesias de cada categoria, que irão compor a coletânea de poesias do I Festival de Poesias da Baixada Fluminense - África, Africanidade e Negritude do CIAFRO – Centro de Integração da Cultura Afro-Brasileira, totalizando sessenta (60) poesias. Os autores participantes poderão verificar o resultado da seleção no site do CIAFRO, a partir de 08 de outubro de 2009. Os autores selecionados receberão em suas Unidades Escolares convite para a participação do Festival. b) Todos os autores selecionados receberão certificado de Menção Honrosa e a Coletânea do I Festival de Poesias da Baixada Fluminense - África, Africanidade e Negritude do CIAFRO – Centro de Integração da Cultura Afro-Brasileira. c) Dentre os selecionados para a coletânea, os cinco (05) primeiros colocados de cada categoria receberão diploma com classificação e um livro de literatura com tema afro. d) Os três primeiros colocados de cada categoria receberão respectivas medalhas de ouro, prata e bronze, sendo as mesmas feitas com material metálico sem valor, apenas de forma simbólica. e) O primeiro colocado de cada categoria receberá um computador. f) Toda a premiação será realizada sem quaisquer ônus para os autores participantes. g) O Festival, com a solenidade de premiação, será realizado na primeira quinzena do mês de novembro em data e local a serem definidos pelo CIAFRO e divulgados posteriormente. h) A apresentação dar-se-á apenas pela leitura da poesia, respeitando- se tempo limite para tal. i) O júri considerará a oralidade e escolherá o melhor intérprete, seja autor ou não. j) A poesia, no dia do Festival, poderá ser apresentada pelo autor ou por um intérprete escolhido por ele. l) O melhor intérprete receberá diploma de vencedor de intérprete do I Festival de Poesias da Baixada Fluminense - África, Africanidade e Negritude do CIAFRO – Centro de Integração da Cultura Afro-Brasileira, além da coletânea, do livro de literatura e da medalha simbólica de ouro. XIII) As poesias de cada categoria classificadas em 1º lugar serão exibidas no site do CIAFRO. XIV) A ficha de inscrição se encontra disponível no site do CIAFRO - www.portalciafro. org.br Outras informações pelos tels: CIAFRO (21) 3761-3354 / Vilma Malveira (21) 7837-3711 / Ignez Teixeira (21) 7837-3710-- Ignez TeixeiraPresidente do CIAFROCentro de Integração da Cultura Afro-BrasileiraTel: 21 3761-3354
www.portalciafro. org.br


__._,_.___

Inscrições do Prêmio Jabuti vão até dia 29/05/2009

Inscrições do Prêmio Jabuti vão até dia 29/05/2009
As inscrições para a
51ª edição do Prêmio Jabuti estão abertas até as 18h do dia 29 de maio. Podem concorrer obras publicadas entre 1º de janeiro e 31 de dezembro de 2008 e as 21 categorias premiam editores, escritores, ilustradores, tradutores e designers gráficos, aceitam apenas. Neste ano, há uma categoria especial, criada em homenagem ao ano da França no Brasil: Melhor Tradução de obra literária francês-portuguê s. Para ter acesso ao regulamento completo, clique http://www.cbl. org.br/jabuti/ telas/regulament o/ .
__._,_.___

SOLAR DO CAFÉ


QUINTETO VIOLADO



O Quinteto Violado dá início neste sábado (16/05) ao projeto Caravanas, com apresentação na cidade de Águas Belas, agreste de Pernambuco. Durante o projeto o grupo irá percorrer dez municípios do Estado, mostrando um repertório inspirado nas peculiaridades das macrorregiões – Zona da Mata, Agreste e Sertão. “A partir da obra do Quinteto, busquei referências desde o primeiro disco ao mais novo CD. Será como um passeio pela diversidade cultural pernambucana”, explica Dudu Alves.Com este conceito em mente, o Quinteto canta a religiosidade do vaqueiro nordestino, em Jesus Sertanejo (Janduhy Finizola) e Aboio (Toada de Gado), de Vavá Machado e Arlindo Marcolino. A paisagem do sertão surge em inventário, no baião Mata Branca, de Marcelo Melo, do mais recente disco, Quinto Elemento. Da Zona da Mata, a exuberância da cultura popular aparece em Cavalo Marinho (Luciano Pimentel e Fernando Filizola) e Paisagem do Brasil. Do Agreste, o forró junino de Sete Meninas (Dominguinhos e Toinho Alves) e Morena do Patuá (Roberto Medeiros). Da Região Metropolitana do Recife vem a ciranda – Quero Mais (Marcelo Melo) – e o frevo – Voltei Recife (Luiz Bandeira).Depois de Águas Belas, o projeto Caravanas com o Quinteto Violado estará em Serra Talhada (23/05) e Tabira (30/05). Após uma breve parada para o São João, seguirá para Jatobá (04/07), Exu (11/07), Itamaracá (18/07), Lagoa de Itaenga (25/07), Angelim (01/08), Brejo da Madre de Deus (08/08) e Moreno (22/08).SERVIÇOQuinteto Violado em Águas BelasData: Sábado (16/05)Hora: 20hLocal: Praça CentralProjeto Caravanas com o Quinteto Violado – Agenda16/05 – Águas Belas23/05 – Serra Talhada30/05 – Tabira04/07 – Jatobá11/07 – Exu18/07 – Itamaracá25/07 – Lagoa do Itaenga01/08 – Angelim08/08 – Brejo da Madre de Deus22/08 – MorenoAssessoria de ImprensaJoão Marcelo Melo81 9631.4321
Escritório: + 55 81 3241-2132 Dudu Alves: + 55 81 9452-0903 E-mail :
quintetoviolado@uol.com.brWebsite: www.quintetoviolado.com.br

SITE DO FLIP

Site da FLIP, de visual novo, traz programação principal de 2009A programação principal da 7a. FLIP, que acontece de 1 a 5 de julho, já está disponível no site da Festa Literária Internacional de Paraty, www.flip.org.br, que este ano ganhou nova programação visual, de autoria do designer Dárkon V Roque. Para acessar a programação das mesas literárias, clique aqui.
A programação principal da Flipinha, que em 2009 ganhou site próprio,
http://www.flipinha.org.br/, também já pode ser consultada. Outras atrações, como o Show de Abertura e a programação da FLIP Casa da Cultura serão anunciadas em breve.

FETAERJ ASSOCIADOS EM CARTAZ


Morre aos 88 anos o escritor uruguaio Mario Benedetti

Morre aos 88 anos o escritor uruguaio Mario Benedetti Publicidadeda *Folha Online*O escritor uruguaio Mario Benedetti morreu neste domingo em Montevidéu aos88 anos. Considerado um dos principais autores uruguaios, ele iniciou acarreira literária em 1949 e ficou famoso em 1956, ao publicar "Poemas deOficina", uma de suas obras mais conhecidas.Andres Stapff/Reuters [image: Mario Benedetti] Mario BenedettiO autor tinha um estado de saúde bastante delicado e estava em sua casa, nacapital uruguaia, quando morreu.No ano passado, o escritor foi hospitalizado quatro vezes em Montevidéudevido a diversos problemas físicos.A primeira vez foi entre janeiro e fevereiro de 2008, após sofrer umaenterocolite que fez com que ficasse desidratado. Já em março ele foiinternado com problemas respiratórios, enquanto a terceira vez se deu emmaio do ano passado por causa de um quadro clínico instável geral.Após a última vez em que Benedetti foi hospitalizado, de 24 de abril até 6de maio, o escritor recebeu alta e voltou para casa, após 12 dias internadopelo agravamento de uma doença intestinal crônica.Benedetti escreveu mais de 80 livros de poesia, romances, contos e ensaios,assim como roteiros para cinema.Ele já recebeu os prêmios Ibero-americano José Martí (2001) e InternacionalMenéndez Pelayo (2005).A última obra publicada, o poemário "Testigo de Uno Mismo", foi apresentadaem agosto do ano passado. Antes da última entrada no hospital, Benedettiestava trabalhando em um novo livro de poesia cujo título provisório é"Biografía para Encontrarme" .-- Ruy Jobim NetoCia. Mestremundo de Histórias(11) 9524-1968jobimneto.ruy@ gmail.comhttp://mestremundo. blogspot. com

OFICINA TÁ NA RUA


Estão abertas as inscrições para Oficina Teatral Supernova 2009 do Tá na Rua. Horário - segundas-feiras das 18:30 às 22:00 Matrícula - R$ 15,00 Mensalidade – R$ 100,00 Inscrições no escritório do Tá na Rua, na Avenida Rio Branco, 179, 5º andar, Centro, Rio de Janeiro. Ou no dia da oficina na Casa do Tá Na Rua, Av. Mem de Sá 35 - Lapa Informações: tanarua@tanarua.com.br(21) 2220-0678 escritório(21) 9625-0814 Miguel Campelo(21) 9460-4977 Mery AlentejoInstituto Ta Na Rua Oficina Teatral SUPERNOVAApresentaçãoCom base nos exercícios de despressurização corporal propostos pelo Grupo Tá Na Rua do diretor Amir Haddad em 29 anos de pesquisa de linguagem, a oficina elaborada e ministrada por atores do grupo, explora os desdobramentos desse princípio para as diversas questões que envolvem os processos do ator. A libertação de técnicas, formas e modelos que o aprisionam e enquadram em "tipos", "fisique de rôle", etc.ObjetivoDescobrir o caminho que leve o artista ao máximo de sua expressão, Livre do cumprimento de um "papel" que lhe é atribuído.A manifestação do ser humano, Com sua opinião e seus afetos livres de restritivas orientações ideológicas, é o exercício pleno de suas potencialidades, a razão que justifica toda arte, Possibilita a comunhão entre o teatro e a sociedade na busca da religação com o divino. PoéticaEntrar em contato com a força motriz que nos arrasta à esse ofício. O chamado do teatro. Algo que dentro de cada ator se mantém aceso e em constante combustão. Expandir essa energia vital Como a explosão de uma estrela na criação da luz.
Escritório: Av. Rio Branco, 179/ 5º Andar Centro – Rio de Janeiro, RJ – Tel/ Fax: 21 2220- 0678 Casa do Tá na Rua: Av. Mem de Sá, 35 – Lapa – Rio de Janeiro, RJ

Diretor de mostra paralela de Cannes lamenta falta de longa brasileiro

Diretor de mostra paralela de Cannes lamenta falta de longa brasileiro
SILVANA ARANTESda Folha de S.Paulo
Folha - O sr. veio ao Brasil, mas não escolheu longas daqui. O que o decepcionou?
Olivier Père - Vi muitos filmes enquanto estive aí. Todos tinham qualidade e criatividade, mas nenhum foi consenso entre o comitê de seleção, que os achou muito frágeis ou inadequados a Cannes. É algo que lamento, porque vejo o Brasil como um país do futuro no cinema e queria consolidar isso selecionando um longa. Mas teremos "Superbarroco", um dos mais belos curtas que vi neste ano. Talvez eu buscasse nos longas algo assim, mais artístico.
Folha - Coppola disse que "Tetro" é o seu retorno às origens. O sr., que viu o filme, pode dizer em que sentido?
Père - É, sem dúvida, o filme mais pessoal de Coppola. Ele pensou de forma livre e fala de maneira extremamente pessoal sobre seu tema de sempre --a relação com o pai. Ao mesmo tempo, é um cineasta que concilia criação cinematográfica e uma história forte. Faz sentido a presença dele na Quinzena porque ele sempre lutou pela independência, criou seu estúdio e alcançou a liberdade de fazer esse filme com seu próprio dinheiro.
Folha - Mas Coppola diz que sua liberdade cinematográfica vem do fato de ter se tornado rico com a produção vinícola.
Père - É fato que a noção de liberdade dele passa pelo dinheiro, mas ele vê o cinema como uma forma de guerrilha, de resistência. Hoje, alguns conseguem resultados iguais com menos dinheiro. Há também uma questão geracional.
Folha - A direção do festival ofereceu a "Tetro" uma exibição hors-concours. É indício de que o filme é pessoal demais?
Père - Não acho que "Tetro" seja inacessível. Ele é magnífico na forma. Obviamente não é o Coppola de "Apocalipse Now" ou "O Poderoso Chefão". Ele é desses cineastas, como foi Kubrick, de quem esperamos sempre algo diferente do que estão dispostos a fazer. Mas "Tetro" é um grande momento do cinema. Estar fora de competição em Cannes é uma honra que ele não quis. Não quer ser considerado como o grande mestre. Com esse filme, sobretudo, preferia competir.
Folha - O sr. selecionou "I Love You, Phillip Morris", que tem o ator brasileiro Rodrigo Santoro e Jim Carrey. O que lhe agrada no filme?
Père - É um filme original, com uma história incrível, apesar de baseada em fatos reais, sobre esse personagem que não para de dar golpes e mudar de identidade e se apaixona por outro homem na prisão. É engraçado, ousa e tem uma performance extraordinária dos dois atores principais, Carrey e Ewan McGregor.
Folha - Há dez filmes de estreantes em longa na Quinzena. Há um traço comum? Para que direção eles apontam?
Père - Eles apontam para o surgimento de talentos surpreendentes, de partes diversas. O traço comum talvez seja a comédia e a maior porosidade entre cinema e outras artes, como a animação, o vídeo.
-- Ruy Jobim NetoCia. Mestremundo de Histórias(11) 9524-1968
jobimneto.ruy@ gmail.comhttp://mestremundo. blogspot. com

Seminário Cariri, Ser Tão Educativo

Seminário Cariri, Ser Tão Educativo - Encontros sobre Educação Não Formal, Desenvolvimento Local e Inclusão SocialLocal: SESC Ipiranga - 26 a 28 de maio, terça, quarta e quinta, das 19h às 21h30O objetivo deste ciclo de debates é discutir o papel da cultura na construção da cidadania e na elaboração de estratégias para o desenvolvimento local. Relatos de experiências socioculturais da região do Cariri e da cidade de São Paulo. O evento conta com a participação de pesquisadores, artistas, gestores e estudiosos que se destacam pela excelência das reflexões acerca do tema.ProgramaçãoDia 26 de maio – terça-feira19h - Abertura19h30 às 22h - Mesa redonda: A cultura como instrumento de inclusão social e desenvolvimento localA educação e a cultura são cada vez mais fundamentais ao processo de transformação social.A meta de democratizar o acesso à cultura e ao conhecimento pode ser um dos mais importantesprojetos estratégicos contra a exclusão e a favor de um desenvolvimento "sustentável" e humanizador na nossa sociedade.Participantes:Alemberg Quindins (Fundação Casa Grande)Margareth Brandini Park (UNICAMP)Renata Bittencourt (Itaú Cultural)Altair Moreira (Laboratório Cultural do Instituto Pólis)Mediação: Andréa Nogueira (SESC SP)Dia 27 de maio, quarta-feira, das 19h às 21h30Mesa redonda: Troca de experiênciassocioculturais do Cariri e São Paulo – diálogos possíveisO objetivo é promover uma troca de experiênciasno campo sociocultural. Esse intercâmbio desaberes deve gerar metodologias renovadas para otrabalho em cada comunidade, seja na metrópole, seja no sertão.Participantes:Hamilton Faria (Instituto Pólis)Rosiane Lima Verde (Fundação Casa Grande)Representante do SESC-CEDagmar Rivieri Garroux (Casa do Zezinho)Mediação: Ilona Hertel (SESC-SP)Dia 28 de maio, quinta-feira, das 19h00 às 21h30Mesa redonda: Troca de experiências de educomunicação no Cariri e São PauloA proposta é reavaliar o papel da comunicação enquanto instrumento de educação e conscientização. O compartilhamento de experiências deve gerar conhecimentos enriquecedores ao trabalho de educomunicação.Participantes:Hélio Filho (Fundação Casa Grande)Grácia Lopes Lima (projeto Cala boca já morreu)Rádio Graciosa de PiritubaIsmar Soares (NCE-USP)Mediação: Maurício Trindade (SESC-SP)INSCRIÇÕES GRATUITASVocê pode fazer sua inscrição para o Seminário das seguintes maneiras:PESSOALMENTESESC Ipiranga, na Central de AtendimentoTerça a sexta, das 10h às 20hSábados, domingos e feriados, das 10h às 17h30Rua Bom Pastor, 822 • Ipiranga • São PauloNO PORTAL SESCSPAcesse www..sescsp. org.brCadastre-se no Meu SESC, preencha o formulário de pré-inscrição.Maiores informações: fone 3340-2000 - 0800118220__________ItaRochaEducadora de Artes Visuais11 9225 6138 e 4508 1771www.rochaita. blogspot. com

terça-feira, 12 de maio de 2009

HOMENAGEM AO DIAS DAS MÃES


BOLETIM PLANO NACIONAL LIVRO E LEITURA


Programa Manuel Bandeira de Formação de Leitores

Sabendo que as bibliotecas não só auxiliam o processo de alfabetização e aprendizagem da língua, mas também constituem uma forma de integração entre escola e comunidade, o Programa Manuel Bandeira de Formação de Leitores, que integra ao Eixo 1 (Democratização do Acesso) do PNLL, procura fortalecer a rede de bibliotecas escolares. As ações vão desde a implantação de salas de leitura e a renovação constante dos acervos até a formação continuada dos mediadores. O projeto, que atende a cidade do Recife, em Pernambuco, também busca incentivar a produção autoral tanto de alunos quanto de professores.

Lê melhor quem lê a vida

Em São Mateus, no Espírito Santo, o projeto Lê melhor quem lê a vida, que integra o Eixo 1 (Democratização do Acesso) do PNLL, ensina a criação de textos jornalísticos e poesias e a como operar câmera e vídeo, entre diversas outras atividades. A ideia é que, ao despertar habilidades artísticas e técnicas em crianças e adolescentes que estejam em situação de vulnerabilidade social, eles encontrem um caminho para gerar renda ou até se inserir no mercado de trabalho.

Colegiado Setorial de Livro e Leitura

O Conselho Nacional de Política Cultural convocou para a próxima terça, dia 12 de maio, uma reunião do Colegiado Setorial de Livro e Leitura. O encontro, que terá a participação do PNLL e de outras entidades do setor, será em Brasília, das 9h às 18h, no Hotel San Marco. Na pauta de discussões, o regimento interno do Colegiado.

Machado de Assis 2009

A Academia Brasileira de Letras concedeu na última quinta-feira, 7 de maio, ao jornalista, escritor e roteirista Salim Miguel o Prêmio Machado de Assis de 2009, que "condecora obras de expoentes das letras nacionais". Foram também divulgados os vencedores do Prêmio ABL de Literatura Infantil e do Prêmio ABL para roteiro de cinema, ganhos, respectivamente, por Francisco de Salles Araújo, por Livro Cordelinho, e Rafael Conde, pelo filme Fronteira. Já o Prêmio ABL de Ficção é de Silviano Santiago, por Heranças, e o Prêmio ABL de Tradução focou com Paulo Bezerra, por Os Irmãos Karamazov, de Fiódor Dostoievski.

Inscrições do Prêmio Jabuti vão até dia 29

As inscrições para a 51ª edição do Prêmio Jabuti estão abertas até as 18h do dia 29 de maio. Podem concorrer obras publicadas entre 1º de janeiro e 31 de dezembro de 2008 e as 21 categorias premiam editores, escritores, ilustradores, tradutores e designers gráficos, aceitam apenas. Neste ano, há uma categoria especial, criada em homenagem ao ano da França no Brasil: Melhor Tradução de obra literária francês-português. Para ter acesso ao regulamento completo, clique aqui.

Bienais da Bahia e de Goiás recebem mais de 370 mil pessoas

Pela Bienal da Bahia passaram 272 mil pessoas, um aumento de 20% com relação à edição anterior. Houve também a presença de 385 expositores, responsáveis pela exibição de 50 mil títulos. Já na Bienal de Goiás, finalizada no dia 3 de maio, mais de 100 mil visitantes participaram de cursos, oficinas e escritores de escritores. De acordo com os organizadores, o objetivo principal era despertar o interesse pela leitura e valorizar os escritores goianos.

Feira de Tocantins

Foi aberto no último dia 8, e segue até o dia 17 de maio, o 5° Salão do Livro do Tocantins, que este ano homenageia Monteiro Lobato. Os visitantes que passarem pela Praça dos Girassóis, em Palmas, encontrarão personagens como o Marquês de Rabicó, a Cuca, Narizinho, Emília e Pedrinho assim como uma variedade na programação cultural, que inclui palestras, bate-papo com autores, lançamentos de livros e musicais.

Argentina lança apoio a traduções

A Argentina, convidada de honra da feira de Frankfurt 2010, anunciou um programa de apoio e subsídios para tradução de obras de autores argentinos e publicação por editoras estrangeiras. O PROSUR - Programa "SUR" de Apoio a las Traduciones - prevê investimentos de 3.200 dólares para a publicação de até 100 livros. De acordo com o edital publicado, as solicitações de subsídio serão avaliadas pelo subcomitê de traduções, que determinará o valor para cada projeto.

Jornada de Literatura debate interfaces entre arte e tecnologia

A 13ª Jornada de Literatura, que irá ocorrer entre os dias 24 e 28 de agosto, em Passo Fundo - RS, terá como tema de debates "Arte e Tecnologia: Novas Interfaces". Entre os autores confirmados, Pierre Levy, Nélia Piñon, Lúcia Santaella e Evanildo Bechara. As inscrições estão abertas até o dia 17 de maio e podem ser efetuadas apenas pela internet. Para conferir a programação do palco de debates do evento.

Discutindo a leitura

A revista Leitura: Teoria e Prática, editada semestralmente pela Associação de Leitura no Brasil, está com espaço aberto para o envio de artigos e resenhas que reflitam sobre a literatura no contexto escolar. O Conselho Editorial e consultores avaliarão os trabalhos enviados. Para conferir as normas técnicas para a apresentação dos textos e obter mais informações.

Google revela projetos sobre máquina de escanear livros

O Google patenteou uma nova máquina para escanear livros que utiliza sensores infravermelhos para identificação tridimensional e compensação de possíveis distorções causadas por lombadas. Com isso, a velocidade da digitalização será maior, podendo superar mil livros por dia em uma única máquina. A patente, criada no final de março, ganhou maior repercussão agora, uma vez que as imagens do projeto foram divulgadas.

São Bernardo discute o livro e a leitura

O secretário executivo do PNLL, José Castilho Marques Neto, fez a conferência inaugural da Pré-Conferência Municipal de Cultura de São Bernardo do Campo, na tarde do último dia 9 de maio. Convidado pelo secretário de Cultura, Celso Frateschi, Castilho falou sobre o PNLL e os Planos Municipais de Livro e Leitura para uma platéia de dirigentes municipais, bibliotecários, professores e lideranças da cidade paulista e também da vizinha Diadema. O objetivo do encontro foi ajudar a elaborar um plano de cultura em São Bernardo para ser aplicado na atual gestão.

Dicas de leitura

Tentação, de Adolfo Caminha"Ora, sempre vamos ao Rio de Janeiro, ao grande e espetaculoso Rio de Janeiro! - exclamou Evaristo, pousando o chapéu, com ar de triunfo. - É como lá diz o outro: - quem espera... Eu nunca me enganei com o Luís... nunca!Saíam-lhe em jorro as palavras, num tom quente de vitória, de aclamação, de regozijo.Adelaide não o compreendeu logo, e, sem o compreender, exultava diante da intempestiva alegria do marido, com os olhos nele, ansiosa."Culto Métrico, de Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)"Se alguma vez, Euterpe soberana,De teu métrico influxo a fértil veiaA meu ardente rogo áureas enchentesDo licor desatou, que o monte rega, Generosa ambição hoje ocupandoO mais nobre desejo tanto empenhaA Deidade imortal, que em ti contemplo,Que é meu o assunto, sendo tua a empresa."

REVISTA ALGOMAIS



REVISTA ALGOMAIS


Noticia postada em 01.05.2009 O Quinto Elemento em CaravanaPor: José Neves Cabral Cheiro de mato, som de flauta que mais parece um sabiá cantando num fim de tarde, um toque de violão refinado. Influências várias, arranjos sofisticados, mas sem perder o sotaque regional, fazem do Quinteto Violado um dos poucos grupos musicais brasileiros que conseguem manter o equilíbrio entre a cultura que representam e o som universal. Desse link, natural, o Quinteto desperta emoção por onde passa. Na Síria ou no Japão, na Galícia ou no Peru. Aos 37 anos de carreira, a banda lançou recentemente o CD Quinto Elemento, um trabalho autoral depois de dois discos de homenagens, um só com músicas do paraibano Geraldo Vandré e outro de composições de frevo. O disco está concorrendo ao Prêmio Tim. Nesse final de abril, o grupo iniciou uma excursão, denominada Caravana Multicultural, pelo interior do Estado, onde fará dez shows.Este 32º álbum da carreira foi gravado ao vivo no Teatro Fecap, em São Paulo. E marca o reencontro da banda com um trabalho de criação mais orgânico onde todos participavam da criação das músicas e dos arranjos, característica da primeira fase do QV, antes dos anos 90, quando Toinho passou a ter um papel mais forte na direção dos arranjos em virtude da saída de alguns componentes como Fernando Filizola. Se o processo de criação mudou, a identidade sonora que caracteriza o grupo continua intacta, uma marca que o diferencia dos demais grupos e que levou o crítico Sérgio Cabral, em depoimento para o livro que marcou os 25 anos da banda, a dizer que o Quinteto foi um divisor de águas na MPB.Este 32º álbum da carreira foi gravado ao vivo no Teatro Fecap, em São Paulo. E marca o reencontro da banda com um trabalho de criação mais orgânico onde todos participavam da criação das músicas e dos arranjos, característica da primeira fase do QV, antes dos anos 90, quando Toinho passou a ter um papel mais forte na direção dos arranjos em virtude da saída de alguns componentes como Fernando Filizola. Se o processo de criação mudou, a identidade sonora que caracteriza o grupo continua intacta, uma marca que o diferencia dos demais grupos e que levou o crítico Sérgio Cabral, em depoimento para o livro que marcou os 25 anos da banda, a dizer que o Quinteto foi um divisor de águas na MPB.“Agora, sem ele, cada um procura contribuir da melhor forma sem perder as referências que deixou”, explica Dudu, filho de Toinho. Mas onde encontrar tantas fontes para beber e traduzir em sons e versos nesses 37 anos? Nas emboladas, nos violeiros, nas toadas e aboios. Marcelo Melo, único remanescente do grupo inicial e que assumiu naturalmente a liderança da banda após o desaparecimento de Toinho, explica que a inspiração vem do contato com a cultura da região.O novo trabalho do Quinteto é diferente dos anteriores. Neste disco o grupo não só expressa os sotaques e a cultura da região, mas demonstra também que enxerga o sofrimento e o desamparo, como em Paisagens do Brasil, onde denuncia “criança matando menino”. E as crianças também voltam à cena em Meninos de Rua... “Frutos da terra, da miséria, da solidão.../nascem chorando de fome e de dor/crescem carentes de tudo/criaturas em flor”.De raiz bem nordestina, mas com a mistura na sonoridade de tambores sírios, Marcelo Melo interpreta Contos de Zelação, adaptação do Folheto A eleição do Diabo e a posse de Lampião no Inferno (de Severino G. de Oliveira). Dudu Alves explica que a ideia de incluir os tambores foi do percussionista Roberto Medeiros. “Passamos uma semana lá, e Roberto encontrou uns tambores parecidos com as alfaias. Esse som também entra em Contos de Zelação.”No novo CD, o Quinteto mostra na música Contos de Zelação a influência ibérica que recebeu numa de suas excursões à Galícia. Uma canção que naturalmente deve agradar ao público que vai assistir à participação do grupo em festivais em Vigo, La Coruña no mês de julho. “Vamos possivelmente inserir mais sonoridades da sanfona galega nesses shows”, afirma Marcelo.Da gravação, participaram Marcelo Melo (violão, viola e voz), Ciano (flautas), Dudu Alves (teclados) e Roberto Medeiros (percussão e voz). Thiago Fournier se incorporou ao grupo devido à proximidade com Toinho Alves, com quem teve orientações técnicas sobre a forma de tocar o baixo elétrico vertical, de acordo com o estilo consagrado pelo Quinteto.PROJETOSCom a criação da fundação Quinteto Violado, em 1997, o grupo também passou a trabalhar em projetos para o desenvolvimento da cultura da região Nordeste. No ano passado, lançou o CD Sons do São Francisco e Cantos do Semi-Árido, onde faz um registro documental das manifestações musicais das comunidades ribeirinhas do São Francisco. Do pífano aos índios fulniô e às cantadeiras do sisal, as manifestações foram registradas em CD a fim de dar visibilidade à diversidade cultural da região. Dudu Alves conta que essas iniciativas fazem parte de um grande projeto que é o Registro de Ícones Culturais, que funciona como um guarda-chuva. “A partir dele nós desenvolvemos outros. Com ele, nós ganhamos um Prêmio do MinC chamado Cultura Viva, que é um certificado de qualidade da execução do projeto.”Segundo Marcelo Melo, esse projeto deveria ter sido feito inicialmente em parceria com o Ministério da Cultura, mas nunca houve dinheiro para fazer. Acabou saindo com o apoio do Ministério do Desenvolvimento Agrário, que precisava trabalhar com projetos de agricultura familiar e queria também estimular a auto-estima da população.“O Ministério do Desenvolvimento Agrário nos encomendou esse trabalho, em várias regiões, até que chegou uma ocasião em que não tinha mais como justificar essa destinação por não ser o Ministério da Cultura”, comenta Melo. Agora, o próprio MinC está estudando a possibilidade de incluir tanto o Sons do São Francisco quanto o Cantos do Semi-Árido no projeto Mais Cultura. “Eles estão avaliando como utilizam esse material produzido por nós dentro desse projeto”, informa Marcelo.“Os folguedos, o artesanato, tudo isso a gente registra e tem uma força muito grande na valorização da identidade das comunidades”, explica. Para fazer esses projetos, Marcelo revela que o Quinteto não encontrou tantas dificuldades na execução, pois os elementos encontrados nas manifestações das comunidades já fazem parte do próprio trabalho de pesquisa do grupo.“Quando você mexe com a cultura de uma comunidade, mexe com a auto-estima também. Isso a gente registra, apresenta, e tem uma força na valorização da identidade. É uma alternativa, inclusive, de geração de renda. E eles começaram a entender isso”, comenta Marcelo Melo.Em breve, o grupo também poderá captar recursos da Lei Rouanet para a realização de projetos culturais. As empresas que investirem nos projetos terão o valor abatido do imposto de renda.FIEL AO ESTILONesse longo período de existência, o Quinteto sempre se manteve dentro de uma proposta rítmica diferenciada, mas sem perder a essência e o sotaque da música regional. Segundo Marcelo Melo, há diversas linguagens para se executar o forró, todas têm seus méritos, virtudes e defeitos. Existe o forró que banalizou-se pela forma escrachada, repetitiva, e poeticamente pobre, mas há também os poetas que continuam fazendo seu trabalho, com simplicidade, e os sanfoneiros levando a tradição adiante. “Um dos aspectos positivos disso tudo é que não se deixou cair o prestígio da sanfona como um instrumento fundamental na música do Nordeste. Luiz Gonzaga deixou essa história e todos são seus seguidores.”Marcelo Melo acrescenta que é possível enxergar nos acordes do hino do Ceroula (terceira faixa do disco 100 anos de Frevo PE), com arranjos feitos por Toinho Alves, a influência do tango, fruto de um contato do grupo com o astro argentino Astor Piazzolla numa visita ao Recife. “Ele fez um show no Geraldão e ficou encantado e muito interessado pela nossa música. E a gente começou a perceber que dentro da leitura dele do tango havia também as marcações do frevo. Se tocar o hino do Ceroula em instrumental é tango.”Os folguedos populares também são alvo das pesquisas e da observação do grupo. “Não fomos buscar nada fora. Tudo veio para cá. A gente encontrava no som de alguns pifeiros e rabequeiros, de cavalos marinhos, a música de Debussy, de Vivaldi. Tudo veio para cá e misturou-se a música erudita que um dia foi popular. O quinteto faz uma ponte entre o erudito e o popular de uma forma muito livre, nas carrocerias dos caminhões no meio das feiras livres, as plataformas das igrejas, e o povo vendo e identificando o trabalho deles na leitura do Quinteto”. Histórias da EstradaMOTOR HOMEO motor home ainda não existia, mas o Quinteto Violado, em função das necessidades, acabou inventando um protótipo para suas viagens em início de carreira. Um carro que cabia tudo, os componentes, equipamentos e toda a infra-estrutura que o grupo carrega. Numa das viagens, já utilizando um ônibus que abrigava, além dos equipamentos, beliches adaptados, a banda atravessava o Brasil fazendo shows, passando às vezes seis meses longe do Recife.CARRO DE DOENTESMarcelo lembra que certa vez o motorista do ônibus parou para dar assistência a uma família que estava com o carro quebrado na beira da estrada e ofereceu carona. “Quando uma mulher entrou e viu alguns componentes deitados nos beliches, exclamou: ¬- Vixe, vamos embora que isso aqui é um carro de carregar doentes!. “Eles desceram e não quiseram ir de jeito nenhum”.ZÉ DA FLAUTA = TIRADENTES“Estávamos fazendo uma excursão no interior de Minas e chegamos a uma cidade no Dia de Tiradentes. E Zé da Flauta desceu do ônibus no momento em que estava havendo uma gincana com aquele cabelo grande dele. De repente, pegaram Zé da Flauta amarraram uma corda no meio da cintura dele e o levaram carregado numa procissão. Era uma tarefa que as pessoas estavam cumprindo.De turbante - “Numa recente viagem nossa à Síria nós perdemos as bagagens e tivemos de ir às lojas comprar roupas de lá”, revela Dudu.
Escritório: + 55 81 3241-2132 Dudu Alves: + 55 81 9452-0903 E-mail :
quintetoviolado@uol.com.brWebsite: www.quintetoviolado.com.br Representante em SP e Sudeste: Circus Produções Culturais www.circusproducoes.com.br + 55 11 3151-3617 + 55 11 9172-4010

sábado, 9 de maio de 2009

SÃO PAULO -TEATRO


Projeto patrocinado pela LAMSA e gerido pelo Instituto Invepar leva mais de três mil crianças ao teatro


Os pássaros, seus cantos e o folclore brasileiro vão invadir o imaginário infantil em instituições de ensino vizinhas à Linha Amarela. Em todas as quintas-feiras dos meses de abril e maio, mais de três mil alunos de creches e escolas serão levados ao musical “História de Pássaros”, encenado no teatro do Centro Cultural Calouste Gulbenkian, na Praça Onze. O Instituto Invepar e a LAMSA, administradora da via expressa, patrocinam esse projeto de inclusão com recursos do Imposto Sobre Serviços (ISS), a partir da lei de incentivo à cultura. As 24 sessões acontecem em dois turnos, das 10 às 11h e das 14h às 15h, com capacidade para cento e cinqüenta alunos de cada vez.A iniciativa de levar arte à vida de crianças que não tinham contato com o teatro foi criada pelo Centro de Pesquisa e Estudo do Teatro Infantil (Cepetin). Não só as crianças serão contempladas com elementos da cultura brasileira e mensagens sobre a necessidade da preservação do meio-ambiente, mas também os profissionais das instituições beneficiadas que receberão orientações dos educadores do CEPETIN, contribuindo para a promoção de atividades lúdicas e educativas dentro das salas de aula. Com muita música, brincadeiras, contadores de histórias, bonecos e adereços, o João-de-Barro, o Beija-Flor, a Rolinha, o Chopim, o Canário, o Jaó e a Perdiz vão se tornando os mais novos amigos das crianças. Além de beneficiar alunos de instituições do entorno da via, filhos dos colaboradores da LAMSA também participarão do projeto, que começou em 6 de abril e termina em 28 de maio.


sexta-feira, 8 de maio de 2009

DIREITOS HUMANOS: A EXCEÇÃO E A REGRA


EXPOSIÇÂO no SESC de Campos
DIREITOS HUMANOS: A EXCEÇÃO E A REGRA
06 a 31 de maio de 2009

A coordenação das Ações Educativas em Artes Visuais convida para a programação a ser realizada durante a exposição DIREITOS HUMANOS: A EXCEÇÃO E A REGRA nas dependências do SESC em Campos dos Goytacazes,RJ, situado na Avenida Alberto Torres nº 397.
As visitas mediadas acontecem nas terças, quartas e quintas-feiras das 13h às 15h, ou em outro dia e horário a combinar, mediante agendamento prévio com Vera pelo telefone (22) 8117-5398 ou e-mail Vera_plet@yahoo.com.br.
Os participantes na visita à exposição podem assistir também ao espetáculo teatral, participar das atividades esportivas ou de outras programações do dia mediante agendamento prévio.
Para participar nas atividades esportivas é necessário calçar tênis e no caso de uso da piscina trazer roupa de banho e toalha (não pode ser shorts, tem que ser sunga para os meninos e maiô ou biquíni para as meninas)
Coordenação da artista plástica e arte-educadora Vera Pletitsch.

MAIO
06 (quarta)
19h - Abertura da exposição DIREITOS HUMANOS: A EXCEÇÃO E A REGRA.
19:30h – Exibição do documentário “O pequeno e o grande” seguido de debate com Júnia de Souza Elias e Luciana Custódio.
19 às 21h – visita mediada na exposição.

07 (quinta)
13h às 15h - Visitas mediadas à exposição DIREITOS HUMANOS.
13h às 15h - Atividades esportivas
19h – Exibição do documentário “Amapô” sobre a discriminação e a violência contra os travestis, seguido de debate com Paulo Santos Freitas Jr.
19 às 21h – visita mediada na exposição.

09 (sábado)
14h às 17h – Encontro para pais e educadores ARTES COMPARTILHADAS
Este encontro de sensibilização objetiva apresentar as atividades desenvolvidas no SESC com vistas a uma melhor compreensão do universo cultural e das diferentes linguagens da arte, despertando para a importância da interdisciplinaridade como agente facilitador do processo educacional. Será abordada de forma especial a Exposição “Direitos Humanos: a exceção e a regra” quando será exibido o documentário “O pequeno e o grande” que apresenta o trabalho com arte desenvolvido na comunidade carioca Morrinho, realizada a visita mediada na exposição e discutidas possibilidades de trabalho educativo a ser desenvolvido nas escolas e outras instituições sobre esta programação.
A Exposição “Direitos Humanos: a exceção e a regra” é composta por painéis com trabalhos fotojornalísticos que registram fatos e denúncias sobre direitos humanos no Brasil.
Maiores informações podem ser obtidas com Vera pelo telefone (22) 8117-5398 ou e-mail
vera_plet@yahoo.com.br.
As inscrições antecipadas para o Workshop ARTES COMPARTILHADAS devem ser feitas pessoalmente no SESC ou pelo telefone (22) 2731-4063 com Celinha ou Patrícia.
A participação é gratuita e será fornecido certificado.

12 (terça)
13h às 15h: Visitas mediadas à exposição DIREITOS HUMANOS.
13h às 15h: Atividades esportivas
19h – Exibição do documentário “J” sobre trabalho comunitário, seguido de debate com a equipe do projeto “Direitos Humanos: construção da cidadania e educação inclusiva” da UENF.
19h – 21h: Visitas mediadas à exposição DIREITOS HUMANOS.

13 (quarta)
13h às 15h: Visitas mediadas à exposição DIREITOS HUMANOS..
13h às 15h: Atividades esportivas
15h – Espetáculo teatral “O macaco que queria ser mágico” com o Grupo Ferraiuoli de Teatro de Bonecos.

14 (quinta)
13h às 15h: Visitas mediadas à exposição DIREITOS HUMANOS.
13h às 15h: Atividades esportivas

17 (domingo)
13:30h às 17:30h: Visitas mediadas à exposição DIREITOS HUMANOS.

19 (terça)
13h às 15h: Visitas mediadas à exposição DIREITOS HUMANOS.
13h às 15h: Atividades esportivas

20 (quarta)
13h às 15h: Visitas mediadas à exposição DIREITOS HUMANOS.
13h às 15h: Atividades esportivas
15h – Espetáculo teatral “Festa na casa do Zé” com Paulo Bi e Diogo Borges

21 (quinta)
13h às 15h: Visitas mediadas à exposição DIREITOS HUMANOS.
13h às 15h: Atividades esportivas
14h – Oficina de criação literária

24 (domingo)
13:30h às 17:30h: Visitas mediadas à exposição DIREITOS HUMANOS.

26 (terça)
13h às 15h: Visitas mediadas à exposição DIREITOS HUMANOS.
13h às 15h: Atividades esportivas

27 (quarta)
13h às 15h: Visitas mediadas à exposição DIREITOS HUMANOS
13h às 15h: Atividades esportivas
15h – Espetáculo teatral “Circo Catatempo” com a Cia. Creche na Coxia.
19h – Exibição do documentário “Jonas, apenas mais um” sobre a discriminação racial, seguido de debate com Edimilson Mota.

28 (quinta)
13h às 15h: Visitas mediadas à exposição DIREITOS HUMANOS
13h às 15h: Atividades esportivas
14h – Oficina de criação literária

31 (domingo)
13:30h às 17:30h: Visitas mediadas à exposição DIREITOS HUMANOS.
Vera L. Pletitsch vera_plet@yahoo.com.br veralpz@uenf.br (22) 2723-5593 (22) 8117-5398
(22) 2724-3471 (Pólo Regional Arte na Escola - UENF - CCVM)


terça-feira, 5 de maio de 2009

ENTREVISTA DE JASON PRADO DIRETOR EXECUTIVO DO LEIA BRASIL


Entrevista: Jason Prado, diretor executivo do Leia Brasil4/5/2009 - PNLL
O Leia Brasil foi criado em 1991 como um programa vinculado à Petrobras e em 2002, após reestruturação, passou a atuar como uma organização não-governamental. Seus projetos começaram com a ideia de possibilitar o acesso ao livro e promover a leitura na comunidade escolar na rede pública de ensino e têm como ponto forte a formação de professores-leitores, além de trabalhar também com o encantamento de alunos e docentes na literatura, com a distribuição de livros por meio de um caminhão e com a publicação de textos para dinamizar uma leitura temática na sala de aula. Atendendo a mais de 400 mil crianças todo mês e capacitando 20 mil professores por ano, o Leia Brasil tem ações presenciais em 56 cidades brasileiras e ações de suporte em quase todos os estados nacionais. À frente deste projeto está Jason Prado, que conta nesta entrevista o funcionamento do Leia Brasil e das ações visando intensificar a prática da leitura no país.

PNLL - Jason, quais são as principais ações do Leia Brasil junto à rede pública de ensino neste momento?
Jason Prado - O Leia [Brasil] começou com a ideia de possibilitar o acesso ao livro. E a primeira ação que nós fizemos foi montar um caminhão-biblioteca e levar o livro para dentro da escola, achando formaríamos leitores. Rapidinho, descobrimos que o acesso ao livro não é suficiente para isso. Primeiro, porque o próprio professor, que é o exemplo para a criança começar a engatinhar pela leitura, não tem o hábito de leitura. O professor de modo geral não refletia sobre as possibilidades da leitura dentro de sala de aula. Ele então se isentava, não utilizava o recurso que a gente levava. Então, nós buscamos o apoio da Biblioteca Nacional - isso em 1991, 1992, quando estavam começando a formular o PROLER. Acontecerem algumas coincidências e o Leia Brasil foi rapidamente equipado com um ótimo programa de formação do professor leitor. Hoje, as ações do Leia Brasil estão estruturadas em cinco frentes. A primeira é o caminhão que fornece acesso ao livro. A segunda é o encantamento do professor para questão da leitura: nós fazemos teatro, levamos escritores, poetas, contadores de história, enfim, tudo que pode envolver o docente com a leitura. Há uma ação de encantamento também para o aluno, onde nós levamos contadores de história, palhaços, artistas e espetáculos para dentro da escola. Temos uma ação de formação continuada do professor em diversas disciplinas e áreas voltadas para a questão da leitura. E, por fim, cuidamos de uma publicação, que é uma seleta de textos, oferecida gratuitamente para o professor, para que ele saiba como dinamizar a leitura temática dentro de sala de aula. Nesse caso, editamos textos sobre temas transversais, que fazem parte da construção da individualidade e da cidadania, e cruzamos com o pensamento humano e a literatura e a arte.

PNLL - Qual acontecimento ou iniciativa que você destacaria como sendo um dos ápices do Leia Brasil? E em quantos estados vocês atuam hoje?
JP – O ponto forte do Leia Brasil é realmente a formação do professor-leitor. O professor brasileiro, principalmente na biblioteca pública, é completamente despreparado, não só por formação, mas socialmente também, já que é desprovido de suporte de desenvolvimento pessoal, de perspectiva e de desejo. Trabalhar com o desejo, com a vontade e com a informação desse profissional é um dos pontos focais do Leia Brasil. E é muito gratificante. Nós trabalhamos com números muito grandes: o site do Leia Brasil tem mais de um milhão de visitas por mês - só no Rio de Janeiro, atendemos a 400 mil crianças todo mês - e capacitamos 20 mil professores por ano. Temos ação presencial em 17 cidades no estado do Rio de Janeiro, em cinco cidades do estado de São Paulo, em sete cidades do Paraná e em 27 cidades de Sergipe. Também já atuamos em Alagoas, Bahia, Minas Gerais, Rio Grande do Sul. Contamos com ações de suporte em quase todos os estados brasileiros.

PNLL – Quais os aspectos que precisam ser trabalhados para consolidar o livro e a leitura no país?
JP – O Brasil deveria focar muito na questão da escola. As famílias brasileiras contemporâneas não têm condição de dar conta do papel de formação de mediadores de leitura, já que estão fragmentadas ou o pai é analfabeto, entre milhões de razões. Já entre as comunidades, temos que levar em consideração a pressão midiática muito grande da imagem, da emoção, que afasta as crianças da leitura. Então, eu acho que só existe um espaço por excelência para se fazer a formação do leitor: e é a escola, no ensino primário, no ensino fundamental. E para que isso aconteça, o Brasil devia dar por perdido as gerações que estão aí e fazer um projeto do futuro, um projeto da leitura em 2015. Começar a formar o professor e a escola para isso, para se ter realmente uma educação de excelência para que em 2020 a gente possa dizer que temos uma geração leitora, com compreensão de leitura, com sensibilidade. Quer dizer, para fugir da barbárie.

PNLL – Qual o fio condutor que guia as ações do Leia Brasil?
JB – O segredo do Leia Brasil é trabalhar a estima do professor. Na medida em que nós exigimos um reconhecimento da importância dele no papel da educação e oferecemos todo o trabalho de formação de graça, em contrapartida solicitamos todo o seu engajamento. Ao ter o seu trabalho respeitado, o professor se vê envolvido de uma forma completamente diferente. Nós não levamos nenhuma proposta de avaliação. O professor que se envolve com a leitura pelo Leia Brasil não tem que fazer nenhum relatório, não tem que dizer para quantas pessoas ele lê, não tem de preencher ficha de frequência. Ele tem só que se envolver com a leitura e ser feliz. Trabalhar com essa perspectiva de fruição é o segredo do Leia Brasil. Por isso, recebo em média, por dia, uns 150, 200 e-mails pedindo para participar do Leia Brasil.

PNLL - Qual o papel dos quadrinhos hoje na leitura e na alfabetização? E como o Leia Brasil trabalha com isso?
JP – Fomos parceiros durante muito tempo da editora Abril e da Fundação Victor Civita. Distribuímos centenas de milhões de histórias em quadrinhos em escolas públicas desse país. Nós tínhamos o caminhão e eles tinham o encalhe, que nos era repassado. E distribuíamos isso pelo Brasil inteiro. Se você entrar hoje no site do Leia Brasil, há uma instrução de como montar e organizar uma gibiteca dentro de uma escola ou comunidade. Nós damos toda a importância para a questão do quadrinho. Eu mesmo fui um leitor de quadrinho, minha tese de mestrado é sobre quadrinho e minha filha é uma leitora de mangá (quadrinhos japoneses). Se nós fecharmos o olho para isso, vamos perder esse leitor. É claro que se você tem uma identidade e uma familiaridade com a superfície do texto, ele vai uma hora te invadir e você vai ser um leitor compulsivo: vai ler bula de remédio, aviso de elevador; você acaba ficando viciado na leitura.